Fundação CARF

5 de fevereiro, 24

Blog

pároco

Oito maneiras de ajudar o seu pároco

Os nossos párocos são alguns dos membros da Igreja que mais trabalham. Ajudar o seu pároco pode ser uma forma significativa de contribuir para o seu trabalho pastoral e para a transmissão da fé. Já se perguntou como pode apoiá-lo?

O pároco e o sacerdotes A responsabilidade pastoral daqueles que trabalham com ele é grande, para não falar do facto de que hoje lhes é pedido que cuidem de mais almas e assumam mais responsabilidades e mais papéis do que nunca. Por isso, qualquer apoio que lhe seja dado pode aliviar a sua carga de trabalho e permitir-lhe concentrar-se nas necessidades espirituais dos seus comunidade. Se cada fiel fizesse uma única coisa para ajudar na vida da Igreja, o trabalho do pároco seria muito mais fácil.

Quais são as responsabilidades pastorais de um pároco e como é que a comunidade pode ajudar?

Se nunca se perguntou como pode ajudar, aqui estão oito maneiras de o fazer. Mas não se esqueça de que a primeira recomendação é encorajá-lo a oferecer a sua ajuda. Não espere que lhe perguntem se pode fazer alguma coisa, ofereça-se! Oferecer o seu tempo à paróquia é um sinal de apoio e de serviço. 

1 - O compromisso desperta o seu sentido de responsabilidade!

Antes do Concílio Vaticano IINo passado, toda a responsabilidade e gestão da paróquia dependiam apenas do pároco. Graças ao Vaticano II, já não temos desculpa para nos empenharmos na tarefa de difundir a Palavra de Deus. 

A partir do Batismo, somos incorporados em Cristo e participamos, à nossa maneira, nos três ministérios: sacerdotal, profético e real. Assim, a nossa presença e a nossa vocação são constitutivas do Povo de Deus, juntamente com a dos sacerdotes. A nossa participação comunitária na vida da Igreja é indispensável para a sua existência, bem como, ao mesmo tempo, para a nossa própria identidade e missão cristã.

Por isso, é necessário participar ativamente na celebração dos sacramentos, acolher o anúncio apostólico da fé com um coração obediente e testemunhá-lo. Viver os seus dons e tarefas na plena comunhão da Igreja. Isto não só nos prepara para descobrir uma relação mais profunda com Cristo, mas também nos dá uma maior responsabilidade como leigos para com os nossos Igreja e a comunidade em que vivemos. 

2 - Porque é que a participação ativa na liturgia é importante para apoiar os sacerdotes?

O Concílio Vaticano II também nos ensina que o Santa Missa deve ser o centro e a raiz da vida cristã. Em cada Eucaristia, a presença de Cristo ressuscitado torna-se sacramento de comunhão, e a fé partilhada transforma-se em banquete fraterno e alimento de vida. Para isso, devemos empreender caminhos e acções que nos ajudem a percorrer todas as partes das nossas celebrações. Deste modo, cumpriremos o mandato de Jesus de "fazer como ele fez" e faremos com que toda a assembleia "participe" na Eucaristia.

"A Santa Madre Igreja deseja ardentemente que todos os fiéis sejam conduzidos àquela participação plena, consciente e ativa nas celebrações litúrgicas que a própria natureza da liturgia exige e à qual o povo cristão tem o direito e a obrigação, em virtude do batismo". 
Documentos do Vaticano II, Constituição Sacrosanctum Concilium (SC), 14.

Para promover uma participação ativa, pode responder com força, ser leitor, acólito ou mesmo cantor nas celebrações. Isto alivia a carga do sacerdote em Espanha e ajuda a que a liturgia decorra sem problemas.

3 - Como posso contribuir para o bem-estar do meu pároco em Espanha?

Devemos cuidar do nosso pároco e dos seus sacerdotes colaboradores, porque são poucos e a necessidade do seu ministério é grande. O excesso de trabalho e a incompreensão de muitos pode levá-los à exaustão ou à frustração. oração e acompanhamento amigável é um serviço que devemos prestar, abrindo as portas das nossas famílias e das nossas actividades de modo a proporcionar-lhes o repouso e a proximidade que resultarão num melhor serviço para toda a comunidade.

4 - Reze pelo pároco e pelos sacerdotes.

Os padres precisam das suas orações para continuar o seu trabalho pastoral. Diga-lhes que não estão sozinhos. Dedique algum tempo a rezar pelo pároco e pelos sacerdotes. sacerdotes da sua paróquia, rezando pelo seu bem-estar, sabedoria e força no seu ministério. 

Embora não o peçam, eles precisam das suas orações para os confortar e para continuar a sua missão. Faça-lhes saber, através da oração, que contam consigo e que não estão sós. Que as nossas orações lhes dêem força para ultrapassar os obstáculos, fidelidade ao magistério e coragem para impulsionar a mudança no mundo. Sabe quando é o aniversário do seu pároco? O aniversário da sua ordenação?

5 - Qual é o impacto da participação do grupo paroquial na vida da comunidade?

Os grupos paroquiais são associações formadas por membros de uma paróquia que partilham interesses, objectivos ou actividades comuns. Estes grupos estão orientados para a prática e a vivência da fé e, normalmente, visam promover a comunidade, o crescimento espiritual e a participação ativa dos fiéis na vida da paróquia.

O Conselho Pastoral Paroquial, presidido pelo pároco, estuda todos os assuntos relativos à ação pastoral da paróquia e em comunhão com a Igreja diocesana. Neste Conselho estão representados cada grupo e as diferentes funções pastorais, e a sua principal missão é colaborar com o pároco na programação das actividades. A sua atividade começa pouco antes do início do ano letivo, em setembro, e termina após o último ato oficial do ano letivo, em junho. 

As pessoas que estão interessadas em desenvolver a sua vocação específica na Igreja podem juntar-se ao grupo paroquial que está mais próximo das suas preocupações humanas ou cristãs. Pergunte ao seu pároco.

pároco

6 - Como posso colaborar eficazmente na catequese da minha paróquia?

Como escreve o Papa Francisco, o Senhor chama-nos "a cada um de nós, com os nossos recursos espirituais e intelectuais, com as nossas competências profissionais ou experiência de vida, e também com as nossas limitações e insuficiências, a esforçarmo-nos por encontrar formas de colaborar mais e melhor na imensa tarefa de colocar Cristo no cume de todas as actividades humanas".Christus Vivit, 162).

O ministério laical do catequista é uma vocação, uma missão. Ser catequista significa que se é catequistanão é isso trabalha como catequista. É uma maneira de ser, e precisamos de bons catequistas que sejam simultaneamente acompanhadores e pedagogos.

Precisamos de pessoas criativas que anunciem o Evangelho, mas que o anunciem com a sua vida, com doçura, com uma nova linguagem e abrindo novos caminhos. E em tantas dioceses, em tantos continentes, a evangelização está fundamentalmente nas mãos de um catequista. 

7 - Faça parte do grupo Caritas da sua paróquia.

O exercício da caridade faz parte da nossa missão de católicos. A Cáritas Paroquial é gerida por um grupo de voluntários que identificam as necessidades da comunidade paroquial. 

Uma vez identificadas as necessidades e recolhidos os recursos, esta ajuda é distribuída diretamente às pessoas necessitadas. Pode ser sob a forma de alimentos, artigos de higiene, vestuário, assistência financeira, entre outros.

Há que ter em conta a importância da ação da Cáritas diocesana e paroquial e dos seus esforços para garantir o acesso a direitos básicos como a alimentação, a habitação, a saúde e a educação das pessoas mais vulneráveis.

A Cáritas Paroquial também pode prestar assistência em situações de emergência, como desastres naturais ou crises económicas súbitas. Colabora com outras organizações e agências locais que oferecem serviços complementares, tais como abrigos de emergência, centros de emprego, serviços de saúde, entre outros.

8 - Angariação de fundos

Também pode ajudar financeiramente. Com muito ou pouco. Esporadicamente ou mensalmente, trimestralmente, semestralmente ou anualmente. Além disso, os donativos feitos a fundações ou a organizações ao abrigo da Lei do Mecenato implicam deduções fiscais para os dadores. O custo do montante efetivamente dado é muito inferior ao montante recebido pela instituição. O mesmo se aplica, evidentemente, aos donativos que faz à paróquia e à diocese.

É também o caso de organizações como a Fundação CARF, que apoiam o trabalho dos padres e promovem a sua formação. Porque os padres também precisam de ser formados e de se manterem actualizados sobre os ensinamentos da Igreja e as formas de cuidar das pessoas.

Lembre-se que a sua ajuda à paróquia e o seu apoio ao pároco e aos sacerdotes podem fazer uma grande diferença na vida da paróquia e na vida do pároco. É sempre bom falar com o pároco ou com os funcionários da paróquia para saber quais são as suas necessidades específicas e qual a melhor forma de contribuir.

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA