DONAR AGORA

Fundação CARF

6 de maio, 24

Um dia na vida de Nossa Senhora

Aproveitando o mês de Maio, o mês da Virgem Maria. Francisco Varo Pineda transporta-nos para a Nazaré da Virgem Maria e para a sua rotina diária. Cheio de sacrifícios diários. As tarefas com as quais ela cuidou de Jesus e se santificou dia após dia.

São Lucas conta no seu Evangelho que o anjo Gabriel foi enviado por Deus a Nazaré (cf. Lc 1, 26), a uma virgem chamada Maria, para lhe anunciar que ela seria a mãe do Messias, o Salvador, que todos os judeus esperavam.

A Nazaré da Virgem Maria

Há cerca de dois mil anos atrás Nazaré era uma aldeia desconhecida para quase toda a gente na terra. Naquela época a Roma imperial brilhava com esplendor. Havia muitas cidades prósperas nas margens do Mediterrâneo. A agitação dos mercadores e marinheiros inundou muitas ruas e praças de cidades portuárias ou de empórios comerciais. Nazaré, por outro lado, era um punhado de pobre casas assentadas em promontórios rochosos na Baixa Galileia. Mesmo na sua própria região não era de grande importância.

A cidade de Séforis, onde se concentrava a maior parte da actividade comercial na área, ficava a pouco mais de duas horas de caminhada. Era uma cidade próspera, com edifícios ricos e um certo nível cultural. Os seus habitantes falavam grego e tinham boas relações com o mundo intelectual greco-latina. Em Nazaré, por outro lado, viviam algumas famílias judias, que falavam aramaico.

A maioria dos habitantes dedicou-se à agricultura e pecuária, mas havia também um artesão como José, que com a sua engenhosidade e esforço prestou um bom serviço aos seus concidadãos, fazendo trabalhos de carpintaria e ferreiro.

A casa da Virgem Maria

A casa de Maria era modesta, como a dos seus vizinhos. Tinha dois quartos. A sala interior era uma caverna que servia de celeiro e despensa. Três paredes de barro ou alvenaria presas à rocha em frente daquela sala interior suportavam uma estrutura de ramos, madeira e folhas que serviam de telhado, e formavam a sala exterior da casa. A luz entrou pela porta. Lá eles tinham algumas ferramentas de trabalho e poucos móveis. Grande parte da vida familiar foi feita no exterior, à porta da casa, talvez à sombra de uma videira que ajudaria a temperar o calor do verão.

Quase todos os seus vizinhos tinham uma casa semelhante. As escavações arqueológicas trouxeram à luz partes da antiga Nazaré. As casas fizeram uso das muitas grutas do terreno para construir uma adega, silo ou cisterna dentro delas sem muitas modificações. O chão foi achatado um pouco em frente da caverna, e este recinto foi fechado com paredes elementares. É possível que as famílias tivessem usado o chão deste quarto para dormir.

Pozo de la Virgen Maria 1

O Poço de Maria é o local onde o anjo Gabriel apareceu à Virgem Maria e anunciou que ela daria à luz o Filho de Deus. Está localizado na actual Nazaré, no norte de Israel.

Preces Manhãs

O dia começou com o nascer do sol. Alguns oração simples, como o Shema, e o trabalho árduo começou imediatamente. O Shema é uma oração, retirada da Bíblia, que começa em hebraico com essa palavra, e diz assim: "Shema Israel (Ouve, ó Israel), o Senhor nosso Deus é um só Senhor". Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças. Guarde estas palavras que eu lhe digo hoje no seu coração. Inculque-os nos seus filhos e fale com eles quer esteja em casa ou na sua viagem, quer se deite ou se levante. Prenda-os na sua mão como um sinal, coloque-os na sua testa como um sinal. Escreva-os nas ombreiras da sua casa e nas suas portas" (Dt 6:4-9).

A Virgem Maria e a preparação dos alimentos

Uma das primeiras tarefas a serem realizadas todos os dias, após a oração, foi a preparação do pão, o alimento básico para cada dia. Para fazer isto, Maria, como as mulheres costumavam fazer, começava por moer o grão de trigo ou de cevada para fazer farinha. Foram encontrados alguns moinhos de pedra domésticos do tempo do nosso Senhor que foram usados para esta tarefa.

A farinha foi então misturada com água e um pouco de sal para formar a massa, à qual foi adicionada uma pitada de fermento - excepto durante a festa da Páscoa. A massa fermentada era usada para fazer bolos ou rolos muito finos, que eram assados no forno ou enterrados em brasas e comidos acabados de assar.

A refeição diária seria bastante semelhante ao que conhecemos hoje em dia nas regiões mediterrânicas. O pão foi partido à mão, sem usar uma faca, e foi comido sozinho ou com óleo, acompanhado de vinho, leite, fruta e, quando possível, alguma carne ou peixe. O leite era normalmente guardado em peles de cabra cosidas, e era bebido directamente delas. Era mais provável que fosse azedo quando estava bêbado. O leite também era usado para fazer manteiga e queijo, que eram alimentos básicos onde havia gado, como na Galileia.

Nazaré Virgem Maria
Nazaré, de nossa Mãe a Virgem Maria no início do século XX.

Outro elemento importante na dieta dessas pessoas era o petróleo. As azeitonas conservadas em salmoura também foram comidas. O óleo foi mesmo levado com eles quando viajavam, em pequenas garrafas de barro planas, de forma semelhante a uma cantina. Também era comum beber vinho, que tendia a ser forte, e por isso era normalmente bebido com água, e por vezes misturado com especiarias ou adoçado com mel.

Entre os guisados mais comuns estavam os guisados de grão de bico ou de lentilhas. Os vegetais mais populares eram favas, ervilhas, alho-porro, cebola, alho e pepino. A carne mais comummente consumida era de cordeiro ou cabra, e alguma galinha. Os frutos mais comuns eram figos, tâmaras, melancias e romãs. As laranjas, hoje tão abundantes na região, ainda não eram conhecidas na Galileia onde viveu Santa Maria.

Antes de comer cada dia, as orações costumavam ser recitadas para dar Graças a Deus pela comida recebida da sua bondade. A bênção da mesa foi mais ou menos nestes termos: "Abençoado sejas, Senhor, nosso Deus, Rei do Universo, que nos deu hoje para comer pão, o fruto da terra". E a resposta foi: "Amém".

As tarefas diárias da Maria

Para satisfazer as necessidades do agregado familiar, um trabalho duro que tinha de ser feito todos os dias era transportar água. A Primavera em Nazaré estava a alguma distância, a pouco mais de quinze minutos a pé das casas da aldeia. Maria provavelmente iria lá todas as manhãs para encher o seu jarro, e voltava para casa carregando-o na cabeça, como é costume na área, para continuar o seu trabalho. E alguns dias ela pode ter de voltar às redondezas noutras alturas do dia para lavar roupa.

Transporte de água e lavagem de roupa

As roupas que Maria tinha que lavar eram as que ela, José e Jesus, usavam. O traje habitual consistia numa roupa interior ou túnica larga e solta, que geralmente era feita de linho. Caiu de joelhos ou bezerros. Pode ser sem mangas ou com mangas até ao meio do braço. A túnica foi fixada ao corpo com uma espécie de cinta, feita de uma longa e larga tira de linho, que foi enrolada várias vezes ao redor do corpo, mas nem sempre foi apertada suavemente, mas em algumas destas dobras foram formadas, que podiam ser usadas para transportar dinheiro. Por cima da túnica era usada a peça de vestuário exterior, ou manto, que era quadrada ou arredondada em forma e era normalmente feita de lã.

A maior parte dos dias de Maria foram, sem dúvida, completamente normais. Ela passou muitas horas em tarefas domésticas: preparando a comida, limpando a casa e a roupa, e até mesmo tecendo a lã ou linho e fazendo as roupas necessárias para a sua família.

Ela chegaria exausta no final do dia, mas com a alegria de quem sabe que tais tarefas aparentemente simples têm uma eficácia sobrenatural maravilhosa, e que ao fazer bem o seu trabalho estava a realizar uma tarefa da primeira magnitude no Trabalho de redenção.


Francisco Varo Pineda
Diretor de Investigação da Faculdade de Teologia da Universidade de Navarra.
Professor da Sagrada Escritura.

UMA VOCAÇÃO 
QUE DEIXARÁ A SUA MARCA

Ajude a semear
o mundo dos padres
DONAR AGORA

Artigos relacionados