Fundação CARF

22 de abril, 20

Artigos de Especialistas

Uma nova proximidade

A crise global do coronavírus leva-nos a reflectir sobre o significado das nossas vidas e sobre o caminho que o mundo está a seguir. O Papa Francisco deu duas pequenas entrevistas nos jornais La Repubblica (18-III-2020) e La Stampa (20-III-2020). Neles ele dá alguns conselhos sobre como viver estes dias dramáticos e propõe redescobrir uma nova proximidade baseada na fraternidade.

O valor do betão

1.Em primeiro lugar, refere-se ao apreciação das pequenas coisas, do betão, dos cuidados Há pequenos gestos, por vezes perdidos no anonimato da vida quotidiana, gestos de ternura, afecto, compaixão, que no entanto são decisivos, importantes. Por exemplo, um prato quente, uma carícia, um abraço, um telefonema... São gestos familiares de atenção aos detalhes de cada dia que tornam a vida significativa e que tornam possível a comunhão e a comunicação entre nós" (Entrevista 18-III)

O Papa sublinha que devemos descobrir o que ele chama "uma nova proximidade". Ele descreve-o como "uma relação concreta feita de cuidado e paciência", que melhora a relação nas famílias entre pais e filhos, para além da televisão e dos telemóveis, e que atende às necessidades, esforços e desejos de cada um. Há", afirma Francisco uma linguagem feita de gestos concretos que deve ser salvaguardada. Na minha opinião, a dor destes dias deve abrir-nos para o betão" (Ibid.).

Solidariedade e oração

Quando muitos perderam entes queridos e muitos outros estão a lutar para salvar outras vidas, o Papa reza e apoia todos eles como o sucessor de Pedro, e agradece-lhes por serem um exemplo desta sensibilidade para com o concreto. E eu pergunto," acrescenta ele que todos estejam próximos uns dos outros daqueles que perderam entes queridos e tentam estar perto deles de todas as formas possíveis. O consolo deve agora ser o compromisso de todos" (Ib.).

Francisco diz que ficou impressionado com um artigo em Fabio Fazio sobre as coisas que ele está a aprender nos dias de hoje. Entre outros, a questão ética da tributação, que permite camas e aparelhos respiratórios suficientes nestas circunstâncias.

Significativo para capturar o estado de espírito do Papa nestes dias é a sua resposta quando questionado: Como pode alguém que não acredita viver na esperança nestes dias?

Vale a pena recolher essa resposta, para que a possa ler cuidadosamente:

"Somos todos filhos de Deus e estamos todos sob o Seu olhar. Mesmo aqueles que ainda não encontraram Deus, aqueles que não têm o dom da fé, podem encontrar lá o seu caminho, nas coisas boas em que acreditamEles podem encontrar força no amor pelos seus filhos, pela sua família, pelos seus irmãos e irmãs. Pode-se dizer: "Não posso rezar porque não sou um crente". Mas ao mesmo tempo, porém, ele pode acreditar no amor das pessoas que o rodeiam e encontrar lá esperança" (Ibid.).

Papa Francisco 1 1

O Papa Francisco orando pelo fim da pandemia

Solidariedade e oração

2. Para viver isto A Páscoa 'à porta fechada Francisco propõe uma resposta de três palavras: penitência, compaixão e esperança, com o complemento do humildadeporque muitas vezes esquecemos que na vida existem 'áreas escuras', momentos escuros. Pensamos que isso só pode acontecer a outra pessoa. Em vez disso, desta vez é negro para todos, sem exclusão. É marcado pela dor e pelas sombras que se infiltraram nas nossas casas. É uma situação diferente daquelas por que temos passado. Também porque ninguém se pode dar ao luxo de estar calmo, todos partilham estes dias difíceis" (Entrevista 20-III-2020).

Nesta linha, o Papa sugere que a Quaresma pode ajudar-nos a encontrar um sentido no que nos está a acontecerA "formação para ver em solidariedade com os outros, especialmente aqueles que estão a sofrer. À espera do brilho da luz que irá iluminar tudo e todos de novo" (Ib.).

Este é um momento - ele continua nas suas respostas - em que redescobrimos o importância da oraçãocomo os apóstolos quando clamavam ao Senhor: Mestre, estamos a afogar-nosA oração", explica Francisco, "permite-nos compreender a nossa vulnerabilidade. É o grito dos pobres, dos que se afundam, dos que se sentem em perigo, sozinhos. E, numa situação difícil e desesperada, é importante saber que o Senhor está lá, e que podemos agarrar-nos a Ele.Ib.). Depois Deus dá-nos força e proximidade. Tal como Pedro, ele dá-nos uma mão para nos puxar para fora no meio da tempestade.

Ele é novamente questionado sobre não-crentes: onde podem encontrar conforto e encorajamento? E ele responde na linha da entrevista anterior, esclarecendo que não quer distinguir entre crentes e não-crentes: "Somos todos humanos e, como homens, Estamos todos no mesmo barco. E para um cristão nada humano deve ser estranho. Aqui choramos porque sofremos. Todos eles. Temos humanidade e sofrimento em comum. Somos ajudados pela unidade, cooperação mútua, sentido de responsabilidade e o espírito de sacrifício que é gerado em tantos lugares. Não devemos distinguir entre crentes e não-crentes, devemos ir à raiz: a humanidade. Diante de Deus somos todos crianças" (Ib.).

Raízes, fraternidade e esperança

Perante os casos dos doentes que estão a morrer sozinhos e isolados, o Papa aprecia e agradece o conforto e a proximidade proporcionados pelo pessoal de saúde, Agradeço a todos aqueles enfermeiros, médicos e voluntários que, apesar do cansaço extraordinário, se curvam com paciência e bondade de coração para compensar a ausência forçada dos membros da família" (Ib.).

No final, é-lhe perguntado em que sentido esta experiência pode ser útil. para o futuro. O Papa vê isto como uma oportunidade para redescobrir a fraternidade universal: "Para lembrar às pessoas de uma vez por todas que a humanidade é uma única comunidade. E como é importante e decisiva a fraternidade universal. Temos de pensar que será como depois de uma guerra. Não haverá mais 'o outro', mas nós" será "nos. Porque só podemos sair desta situação juntos" (Ibid.).

Como seres humanos, conclui ele, teremos de recomece a partir daí: "Teremos de olhar mais uma vez para as raízes: os avós, os anciãos. Para construir uma verdadeira fraternidade entre nós. Para recordar esta difícil experiência juntos, todos nós, todos nós juntos. E para avançar com esperança, o que nunca decepciona. Estas serão as palavras-chave para recomeçar: raízes, memória, fraternidade e esperança.Ibid).

"E eu pergunto que todos estejam próximos uns dos outros daqueles que perderam entes queridos e tentam estar perto deles de todas as formas possíveis. A consolação deve agora ser o compromisso de todos".

Sr. Ramiro Pellitero Iglesias
Professor de Teologia Pastoral
Faculdade de Teologia
Universidade de Navarra

Publicado em "Igreja e nova evangelização".

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA