Fundação CARF

24 setembro, 20

Blog

Os 7 sofrimentos de Nossa Senhora: Quais são eles?

No dia 15 de Setembro celebramos a festa de Nossa Senhora das Dores. Os cristãos lembram-se das 7 tristezas da Virgem Maria. Estes são vários momentos na vida da Virgem Maria onde ela esteve unida a Jesus de uma forma particular e única. Isto permitiu-lhe partilhar a profundidade da dor do seu Filho e o amor do seu sacrifício.

A festa da semana da Paixão recorda-nos especialmente a participação da Virgem Maria no sacrifício de Cristo, representada pelas 7 tristezas da Virgem.

A festa de Nossa Senhora das Dores, transmite a compaixão que Nossa Senhora sente pela Igrejasempre sujeitas a julgamentos e perseguições.

Breve panorama histórico

Por volta do ano 1320, a Virgem Maria manifestou-se a Santa Bridget num lugar na Suécia. Nesta ocasião, o seu coração foi ferido por 7 espadas. Estas feridas representavam as 7 dores da Virgem Maria vividas ao lado do seu Filho Jesus.

Depois a Virgem Dolorosa disse a St. Brigid que aqueles que para rezar Recordando a sua dor e tristeza, obteriam 7 graças especiais: paz nas suas famílias, confiança na acção de Deus, consolo nas suas tristezas, defesa e protecção contra o mal, bem como os favores que lhe pedem e que não são contrários à vontade de Jesus. Finalmente, o perdão dos pecados e a vida eterna para as almas que espalham a sua devoção.

A devoção à Virgem Dolorosa criou raízes entre o povo cristão, especialmente na Ordem dos Servos, que se dedicou a meditar sobre as 7 tristezas da Virgem Maria. E esta mesma devoção foi estendida a toda a Igreja pelo Papa Pio VII em 1817.

St. Brigid da Suécia. Onde Nossa Senhora apareceu e explicou a devoção das 7 tristezas da Virgem Maria.

Representação dos 7 sofrimentos da Virgem Maria, selo antigo

A devoção dos 7 sofrimentos da Virgem Maria

Meditar sobre as tristezas de Nossa Senhora é uma forma de partilhar os mais profundos sofrimentos da vida de Maria na terra. Ela prometeu que concederia sete graças às almas que a honrassem e acompanhassem orando 7 Ave Marias e um Pai Nosso enquanto meditava sobre as 7 tristezas de Nossa Senhora. Se estiver a sofrer hoje, aproveite a oportunidade para colocar a sua dor e o seu duelo no coração da Virgem Maria.

Primeira Tristeza: a profecia de Simeão na apresentação da Criança Cristo

Leia o Evangelho de Lucas (cf. 2,22-35)

A primeira das 7 tristezas da Virgem Maria foi quando Simeão lhe anunciou que uma espada de tristeza lhe furaria a alma pelos sofrimentos de Jesus. De certa forma, Simão dizia que a participação da Virgem Maria na redenção seria através da tristeza.

Imagine o grande impacto que ela sentiu no coração de Maria quando ouviu as palavras com as quais Simeão profetizou a Paixão amarga e a morte do seu Filho, Jesus.

Nossa Senhora ouve atentamente o que Deus quer, pondera o que ela não entende e pergunta o que ela não sabe. Então ela entrega-se totalmente ao cumprimento da vontade de Deus: eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra. Vês a maravilha? Santa Maria, mestra de toda a nossa conduta, ensina-nos agora que a obediência a Deus não é servil, não submete a consciência: leva-nos intimamente a descobrir a liberdade dos filhos de Deus. (É Cristo que passa, 173).

Segunda Tristeza: O Voo para o Egipto com Jesus e José

Leia o Evangelho de Mateus (2,13-15)

Representa a segunda das sete tristezas de Nossa Senhora, aquela que ela sentiu quando teve de fugir com José e Jesus de repente e à noite tão longe para salvar o seu Filho do massacre decretado por Herodes. Maria experimentou um sofrimento real quando viu que Jesus já estava a ser perseguido até à morte quando era bebé. Quanto sofrimento ela experimentou na terra do exílio.

O Santo Evangelho, brevemente, facilita-nos a compreensão do exemplo da Nossa Mãe: Maria guardava todas estas coisas dentro de si, ponderando-as no seu coração. Tentemos imitá-la, lidando com o Senhor, num diálogo amoroso, com tudo o que nos acontece, mesmo os mais pequenos acontecimentos. Não esqueçamos que devemos pesá-los, avaliá-los, vê-los com os olhos da fé, a fim de descobrir a vontade de Deus (Amigos de Deus, 284; Amigos de Deus, 285).

Terceira dor: A perda de Jesus - O menino perdido no templo

Leia o Evangelho de Lucas (2,41 -50)

As lágrimas derramadas pela Virgem Maria e a dor que ela sentiu com a perda do seu Filho são a terceira das 7 tristezas da Virgem Maria. Três dias à sua procura, angustiada, até que ela o encontrou. encontrado no templo. Para compreender isto, podemos imaginar que Jesus se perdeu numa idade muito jovem, ainda dependente dos cuidados de Maria e S. José. Quão angustiante foi a dor de Nossa Senhora quando ela percebeu que Jesus não estava presente.

"A Mãe de Deus, que avidamente procurou o seu filho, perdido sem culpa sua, que experimentou a maior alegria em encontrá-lo, ajudar-nos-á a refazer os nossos passos, a rectificar o que é necessário quando, através da nossa leveza ou pecados, falhamos em distinguir Cristo. Assim alcançaremos a alegria de O abraçar novamente, para lhe dizer que não O perderemos mais (Amigos de Deus, 278).

Quarta dor: Maria encontra Jesus no caminho do Calvário

Nós lemos a IV Estação da Cruz

No quarto dos 7 sofrimentos da Virgem Maria pensamos no profundo pesar que a Virgem Maria sentiu quando viu Jesus carregando o cruzcarregando o instrumento do seu próprio martírio. Imaginemos Maria encontrando o seu Filho no meio daqueles que o estão a arrastar para uma morte tão cruel. Vamos experimentar a tremenda dor que ela sentiu quando os seus olhos se encontraram, a dor de uma Mãe a tentar apoiar o seu Filho.

Dificilmente Jesus ressuscitou da sua primeira queda quando encontra a sua Mãe no caminho por onde ele passa.
Com imenso amor Maria olha para Jesus, e Jesus olha para a sua Mãe; os seus olhos encontram-se, e cada coração derrama a sua própria tristeza no outro. A alma de Maria está inundada de amargura, na amargura de Jesus Cristo.
Ó você que passa na estrada, olhe e veja se há alguma tristeza comparável à minha tristeza (Lam I, 12).

Quinta dor: A crucifixão e a agonia de Jesus - Jesus morre na cruz

Leia o Evangelho de João (19,17-39)

Esta tristeza contempla os dois sacrifícios no Calvário, o do corpo de Jesus e o do coração de Maria. O quinto dos 7 sofrimentos da Virgem Maria é o sofrimento que ela sentiu ao ver a crueldade dos pregos serem lançados nas mãos e nos pés do seu amado Filho. A agonia de Maria ao ver Jesus sofrer na cruz; para nos dar vida. Maria ficou ao pé da cruz e ouviu o seu Filho prometer o céu a um ladrão e perdoar os Seus inimigos.

"Feliz culpa, canta a Igreja, feliz culpa, porque ela conseguiu ter um Redentor tão grande. Feliz culpa, podemos também acrescentar, que merecemos receber Santa Maria como nossa Mãe. Agora estamos certos, agora nada nos deve preocupar: pois Nossa Senhora, coroada Rainha do céu e da terra, é omnipotente supplicante perante Deus. Jesus não pode negar nada a Maria, nem pode negar nada a nós, filhos da Sua própria Mãe (Amigos de Deus, 288).

Sexta dor: La Lanzada - Jesus é descido da Cruz e entregue à sua Mãe.

Leia o Evangelho de Marcos (15, 42-46)

Consideramos a dor que Nossa Senhora sentiu quando viu a lança atirada para o coração de Jesus. No sexto dos 7 sofrimentos de Nossa Senhora, revivemos o sofrimento que o Coração de Maria sentiu quando o corpo sem vida do seu amado Jesus foi retirado da cruz e colocado no seu colo.

Agora, estando diante daquele momento do Calvário, quando Jesus já morreu e a glória do seu triunfo ainda não se manifestou, é uma boa ocasião para examinar os nossos desejos de vida cristã, de santidade; para reagir com um acto de fé às nossas fraquezas, e confiando no poder de Deus, para resolver pôr amor nas coisas dos nossos dias. A experiência do pecado deve levar-nos à dor, a uma decisão mais madura e profunda de sermos fiéis, de nos identificarmos verdadeiramente com Cristo, de perseverarmos, custe o que custar, naquela missão sacerdotal que Ele confiou a todos os Seus discípulos sem excepção, que nos impele a ser sal e luz do mundo (Cristo Está a Passar, 96).

Sétima Tristeza: O Enterro de Jesus no Sepulcro e a Solidão de Maria

Leitura do Evangelho de João (19, 38-42)

Este é o sofrimento infinito que uma mãe sente quando enterra o seu Filho, e mesmo sabendo que no terceiro dia Ele ressuscitará, a provação da morte é real para Nossa Senhora. Jesus foi-lhe tirado com a morte mais injusta de todo o mundo e Maria, que O acompanhou em todos os Seus sofrimentos, é agora deixada sozinha e cheia de tristeza. Esta é a última das sete tristezas de Nossa Senhora e a mais difícil de todas.

As Escrituras também cantam este amor com palavras brilhantes: as águas poderosas não podiam apagar a caridade, nem os rios a varrem para longe. Este amor sempre encheu o coração de Santa Maria ao ponto de a enriquecer com um coração materno para toda a humanidade. Na Virgem, o amor a Deus também foi combinado com a solicitude por todos os seus filhos. O seu Coração mais doce e atento deve ter sofrido muito, até aos mínimos detalhes - eles não têm vinho - quando testemunhou aquela crueldade colectiva, aquela crueldade que foi, da parte dos verdugos, a Paixão e a Morte de Jesus. Mas Maria não fala. Tal como o seu Filho, ela ama, mantém o silêncio e perdoa. Este é o poder do amor (Amigos de Deus, 237).

As 7 tristezas da Virgem, comunicadas a Santa Brígida pela devoção dos cristãos.

Descrição do que aparece na imagem aqui

Oração para as 7 tristezas da Virgem Maria.

Ó Coração Triste e Imaculado de Maria, morada de pureza e santidade, cobrei a minha alma com a vossa protecção materna para que, sendo sempre fiel à voz de Jesus, possa responder ao Seu amor e obedecer à Sua vontade divina.

Eu quero, minha Mãe, viver intimamente unida ao teu Coração que está totalmente unido ao Coração do teu Filho Divino.

Esteja connosco e dê-nos a sua ajuda, para que possamos transformar as lutas em vitórias, e as tristezas em alegrias.

Nossa Senhora das Dores, fortalece-me nos sofrimentos da vida.

Reza por nós, ó Mãe, porque não és apenas a Mãe das Dores, mas também a Senhora de todas as graças.

Amém.

Com a colaboração de:

Opus Dei. org
Biblija.net
Aciprensa.com
Hearts.org

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA