Fundação CARF

7 de agosto, 21

Testemunhos de vida

Antoine do Burkina Faso: "Sou padre graças ao meu pai, um catequista importante no meu país".

Antoine Tiabondou é um padre de 40 anos do Burkina Faso. Em 2017 formou-se em Comunicação Social e Institucional na Pontifícia Universidade da Santa Cruz. No ano passado, ele voltou à Santa Cruz para prosseguir o seu doutoramento, quando o seu bispo se apercebeu da importância do trabalho que pode ser feito na sua diocese depois de ter tido a oportunidade de ser formado numa universidade de excelência. Ele conta-nos o seu testemunho e como a influência do seu pai, um catequista, um ministério muito importante no seu país, foi decisiva no seu caminho para o sacerdócio.

Antoine Tiabondou é um padre de 40 anos de idade do Burkina Faso. Após seis anos de ministério sacerdotal, em 2014 o seu bispo enviou-o a Roma para obter um diploma em Comunicação Social e Institucional na Universidade Pontifícia da Santa Cruz. Ele completou os seus estudos em 2017.

No ano passado ele voltou à Santa Cruz para prosseguir o seu doutoramento porque o seu bispo percebeu como é importante o trabalho que pode ser feito na sua diocese depois de ter a oportunidade de ser formado numa universidade de excelência como a Universidade Pontifícia da Santa Cruz. 

"A obtenção de uma bolsa de estudo neste momento em que a COVID está a atingir duramente a humanidade tem sido uma oportunidade real e tangível que Deus e os benfeitores me têm dado para servir melhor a Igreja na minha diocese", diz ela. Antonie conta-nos o seu testemunho e como a influência do seu pai, um catequista, um ministério muito importante no seu país, foi decisiva no seu caminho para o sacerdócio. 

Sacerdote graças ao seu pai, um dos principais catequistas do seu país

"O meu nome é Antoine Tiabondou, sou um padre do Burkina Faso e nasci na cidade de Piela a 11 de Junho de 1981.

Estou incardinado na diocese de Fada N'gourma, uma cidade na parte oriental do Burkina Faso, 219 quilómetros a leste de Ouagadougou, a capital. Fada N'gourma é uma cidade importante, pois é bem conhecida pela produção de cobertores e tapetes, bem como pela produção de mel.

Uma família católica de sete irmãos 

Eu nasci numa família católica feliz e nós somos 7 irmãos. O meu pai, que agora faleceu, era catequista. No meu país, sendo O catequista é um ministério muito importanteA Igreja do Burkina Faso tem tido um ministério extraordinário desde o início da evangelização.

Com a mãe, eles receberam uma formação de quatro anos e foram enviados pelo pároco sucessivamente para várias aldeias onde o pai teve de ensinar e preparar os catecúmenos para a recepção dos sacramentos da iniciação cristã e do casamento.

A figura do catequista é importante neste sentido porque assegura a permanência da Igreja em lugares remotos onde o padre Ele vem algumas vezes para visitar as comunidades e oferecer-lhes os sacramentos. Todos os domingos, o catequista reúne a comunidade e, quando não há missa por falta de sacerdotes, ele preside à oração dominical da comunidade.

A missão do catequista 

Esta celebração consiste na escuta da Palavra de Deus no domingo, seguida por um tempo de partilha, e uma oração comum pelas intenções da comunidade e da Igreja. Por vezes o catequista, que preside, distribui a Comunhão aos fiéis. Depois desta celebração, ele dispensa a catequese e visita os doentes.

Em última análise, o catequista é o responsável pelo povo da sua comunidade, Ela guia-o e encoraja-o na proclamação do Evangelho e na experiência de fé enquanto espera pelo sacerdote.

"Vi a necessidade que o meu povo tinha de padres". 

Foi neste contexto que eu passei a minha infância. E foi nestas circunstâncias que eu tive o desejo de me tornar padre a partir dos cinco anos de idade. Eu vi o quanto o meu povo estava desaparecido e o quanto eles queriam ter um padre sempre presente? E o meu próprio desejo de servir o povo nasceu do contacto com um padre redentorista de origem francesa que muitas vezes vinha celebrar a missa dominical para a comunidade da aldeia.

Ainda tenho uma recordação viva dele no meu coração: lembro-me da sua simplicidade, da sua proximidade com o pai e da sua facilidade de diálogo com os jovens cristãos, com os líderes tradicionais e com os crentes da religião muçulmana, porque no meu país há todo o tipo de pessoas!

 

"No meu país, o ministério extraordinário do catequista, instituído pela Igreja desde o início da evangelização, é muito importante. Ele assegura a permanência dos católicos em lugares remotos onde o padre não chega".

Antoine Tiabondou, padre do Burkina Faso

Antoine Tiabondou é um padre do Burkina Faso incardinado na diocese de Fada N'gourma, uma cidade na parte oriental do Burkina Faso. Ele cresceu numa família católica e tem sete irmãos. Aos cinco anos de idade ele pensou em tornar-se padre, vendo o trabalho do seu pai como catequista, uma missão importante no seu país, uma vez que mantém a Igreja viva em lugares remotos onde o padre não chega.

 

Três anos de estudos em Comunicação Institucional

Foi este mesmo padre que teve o prazer de apresentar o meu processo para entrar no seminário menor de Santo Agostinho em Baskouré, na arquidiocese de Koupéla, em Setembro de 1993, onde continuei a minha formação durante oito anos até obter o meu Bacharelato em Artes em 2001.

Após o seminário menor, estudei filosofia e teologia durante sete anos, até à sua ordenação sacerdotal, a 6 de Dezembro de 2008, por ocasião da celebração do seu jubileu de ouro da criação da minha paróquia original, Piela.

Após seis anos de ministério sacerdotal na diocese, o meu bispo quis enviar-me para Roma para três anos de estudos em Comunicação Social e Institucional na Universidade Pontifícia da Santa Cruz de 2014 a 2017, graças a uma bolsa de estudo.

Um sacrifício para a diocese

Na verdade, tem sido um sacrifício para a diocese que estive no estrangeiro para formação e treinoPorque, como eu disse antes, há falta de sacerdotes. No entanto, é muito necessário não só ter sacerdotes bons e santos, mas também que eles estejam bem treinados para a tarefa de evangelização, especialmente através dos meios de comunicação social, que são tão importantes hoje em dia.

Portanto, depois de obter a Licenciatura em Junho de 2017, regressei à diocese para lidar principalmente com escolas católicas e, entre outras coisas, Rádio Taanba, uma estação de rádio diocesana.

Uma bolsa de estudo no tempo do Covid

A partir de Setembro de 2020, estou novamente numa missão de estudo para o ciclo de doutoramento, ainda na mesma universidade.

O bispo decidiu que ele deveria regressar para obter o seu doutoramento porque se apercebeu da importância do trabalho que pode ser feito na diocese depois de ele ter estado na diocese. ter a oportunidade de estudar numa universidade de excelência, como a Pontifícia Universidade da Santa Cruz.

É por isso que, depois de obter outra bolsa de estudo, regressei a Roma, embora num momento muito delicado durante a pandemia.

Na verdade, obter uma bolsa de estudo nesta altura em que a COVID está a atingir duramente a humanidade tem sido uma oportunidade real e tangível que Deus e os benfeitores me têm dado. para para servir melhor a Igreja na minha diocese.

Com a graça de Deus, serei capaz de encorajar outros rapazes como eu, seguindo o exemplo do meu pai e do padre redentorista que teve tanta influência sobre mim, a consagrar a sua vida ao serviço do Senhor.

"Vivi a minha infância a ver o trabalho do meu pai como catequista. E foi nestas circunstâncias que eu tive o desejo de me tornar padre a partir dos cinco anos de idade. Eu vi o quanto faltava ao meu povo e o quanto eles queriam ter um padre sempre presente".

Cidade de Burkina Faso.

"O meu próprio desejo de servir o povo nasceu do meu contacto com um padre redentorista de origem francesa, que muitas vezes vinha celebrar a Missa dominical para a comunidade da aldeia. Ainda tenho memórias muito vivas dele no meu coração: lembro-me da sua simplicidade, da sua proximidade com o meu pai e da sua facilidade de diálogo com os jovens cristãos, com os líderes tradicionais e com os crentes da religião muçulmana, porque no meu país há um pouco de tudo", descreve Antoine.

 

"Agradeço aos meus benfeitores".

"Estou feliz por ter o apoio dos meus benfeitores, que sei que cuidam de mim não só de uma forma material mas também através das suas orações.

O dom da fé, então, é a coisa mais importante que temos.. Agradeço sempre a Deus por este dom maravilhoso.

Percebo os meus sacerdócio como uma continuação do testemunho do meu pai sobre a fé no coração das pequenas, simples e pobres comunidades aldeãs. Para mim, ser sacerdote significa amar Jesus, torná-lo conhecido, partilhar a alegria de o conhecer com os nossos irmãos, para que a humanidade cresça em diálogo, paz e fraternidade.

Comunicar melhor a fé

Estou também convencido que esta especialização muito importante que estou a fazer na comunicação social e institucional me dará sem dúvida os instrumentos para comunicar melhor a fé na Igreja e no mundo, e em particular no meu pequeno país em África.

Reitero a todos os meus queridos amigos e benfeitores da CARF - Fundação Centro Académico Romano, os meus agradecimentos por esta bolsa de estudo da qual sou beneficiário.

São os pequenos e grandes gestos na vida que fazem a própria vida, a nossa e a dos outros, florescer novamente.

A gratidão é vida, a vida é gratidão. Deus o abençoe sempre.

 

 

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Responsável pelo corpo discente
Universidade da Santa Cruz em Roma

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA