DONAR AGORA

Fundação CARF

31 outubro, 23

padre uganda

No Uganda, uma família numerosa não é suicídio 

Uma família numerosa tem a riqueza de uma vida em comum, do trabalho em equipa e de pensar no bem de todos. Johnmary sabe-o bem. A sua família de nove pessoas não é um suicídio, mas uma oportunidade, também no Uganda. E uma fonte de vocação para os padres.

YouTube Default (13:54)

Johnmary Mayanja Jjemba é um seminarista da diocese de Kampala (Uganda). Tem 25 anos e está a estudar para ser padre há dois anos no Seminário Internacional de Bidasoa em Pamplona. Aprendeu tudo com a sua família, porque, como diz "Somos da família em vez de vivermos em comunidade e irmos à igreja. A família está na origem de quase tudo o que fazemos e é o primeiro viveiro de as vocações sacerdotais.

Uma grande família católica

O seu pai, jornalista, e a sua mãe, dona de casa, criaram uma família de sete filhos: quatro rapazes e três raparigas. A Católica e com uma família numerosa. E quando chegou a Espanha, reparou que algumas das pessoas que encontrou olhavam para ele com surpresa, como se dissessem: ser uma família numerosa no Uganda é um suicídio. 

Johnmary reconhece que nem tudo é perfeito numa família tão grande.Aprende-se que há alturas em que as necessidades económicas são urgentes e que nem tudo está disponível. Por outro lado, aprende a respeitar a decisão dos pais de dar a cada filho o que ele precisa naquele momento. Mas ele, apesar das dificuldades, prefere uma família numerosa. Porque o que se aprende é mais valioso do que as necessidades materiais: vive-se uma verdadeira vida familiar, deixam-se de lado os gostos pessoais, aprende-se a procurar o bem comum. 

A família numerosa traz a riqueza de aprender a viver em conjunto, a tolerar as diferenças uns dos outros, a trabalhar em equipa e a ajudar aqueles que precisam de apoio. 

Toda esta experiência de vida marcou o seu tempo de seminarista: sabe o que significa dar-se aos outros, viver em comunidade com os seus parese compreender no futuro, quando for padre, se Deus quiser, as preocupações dos fiéis.

O padre no Uganda 

Uma das principais características de um padre no Uganda é o facto de ter de reforçar as mulheres da comunidade. famílias. As crianças devem aprender a fé em casa. Para Johnmary, esta é a chave para a evangelização no seu país. Desta forma, mesmo que os jovens abandonem a fé num determinado momento, será mais fácil para eles voltarem à Igreja mais tarde. Este jovem seminarista ugandês diz que, no seu país, a párocos e os capelães têm levado muitos movimentos juvenis como Y.C.S., Juventude Viva e Focolares, que ajudam os jovens a reforçar a sua fé através de actividades desportivas e artesanais, coros, conferências, aulas de teatro, etc. 

Mas para chegar às famílias, aos jovens e aos fiéis, Johnmary está consciente de que um padre deve prepare-se muito bemSeja em África ou na Europa: Jesus Cristo é o mesmo lá como aqui. "Ele salvou-nos e os seminaristas devem aprender e servir como o Sumo Sacerdote. Os desafios desta geração não nos devem preocupar porque temos o Salvador omnipotente e a intercessão da Virgem Maria". 

padre uganda

Aos 14 anos, para estudar no seminário, mas não para ser padre.

Aos 14 anos, o seu pai mandou-o estudar no seminário menor de S. Gabriel e S. José em Nswanjere, a 32 quilómetros de Kampala. Não entrou no seminário para se tornar seminarista, mas para estudar. A escola era boa e assim decidiu o seu pai. Porque Johnmary não tinha qualquer intenção de se tornar padre. 

Mas passado um ano, Deus fê-lo compreender que o queria para si, que ser padre era a sua vocação. Um dos seus irmãos mais novos seguiu-o no mesmo caminho e é também padre. seminarista. O seu nome é Victor e está no seminário maior do Uganda, onde estudou João Maria.  

Uganda, terra de mártires 

É ainda um jovem seminarista, mas as necessidades do seu país pressionam-no. O Uganda tem poucos padres para o evangelização. Entristece-o o facto de, em muitas paróquias, só ser possível manter a massa duas vezes por mês, que não há estruturas suficientes, que os fiéis não têm igrejas onde possam rezar, que há aldeias sem igrejas. 

O Uganda é terra de mártiresmártires que derramaram a sua fé por Cristo. E os fiéis ugandeses seguem o exemplo dos seus mártires. Veneram-nos. 

Para além desta herança de fé e de martírio deixada pelos seus antecessoresJohnmary insiste no facto de a evangelização no seu país ser um processo baseado na família. É o fruto das famílias, porque transmitir a fé Desde a infância, o respeito pelas outras religiões e o saber viver com pessoas que não pensam como você são aprendidos na família. 


Marta Santín, Jornalista especializado em informação religiosa

UMA VOCAÇÃO 
QUE DEIXARÁ A SUA MARCA

Ajude a semear
o mundo dos padres
DONAR AGORA