DONAR AGORA

Fundação CARF

2 novembro, 20

Blog

Thomas More, mártir da individualidade?

Um homem para todas as estações não se destina a evocar um santo, até porque Bolt não se considerava um cristão. Bolt's Moor é um homem marcado por um enérgico sentido de individualidade, da sua própria identidade. Pela sua forma de compreender o mundo, ele está preparado para perder a sua vida.

A peça: Um homem para a eternidade

Em Setembro de 1960 foi publicada uma peça que tinha triunfado no palco londrino durante o Verão. Foi Robert Bolt's A Man for All Seasons, que em breve esteve no palco americano e foi o filme mais premiado com um Óscar de 1966. Em Espanha foi-lhe dado o título impreciso de Um Homem para a Eternidade. É uma expressão de Erasmo de Roterdão, um amigo de Thomas More, o protagonista da peça, que o humanista holandês descreveu como um "homem para a eternidade". "um homem para todas as horas, alguém que se adapta tanto à seriedade como à felicidade, e cuja companhia é sempre agradável".

Autor: Robert Bolt 

(1924-1995), começou a sua carreira profissional numa companhia de seguros, estudou história em Manchester e ensinou numa escola em Devon. Mais tarde abandonou o ensino após o sucesso dos seus guiões e peças de rádio, embora seja mais conhecido como o argumentista de Lawrence da Arábia, Doutor Zhivago e Filha de Ryan, três dos seus filmes mais famosos. filmes por David Lean. O que estas histórias têm em comum são personagens que são incapazes de aceitar a sua realidade e que desafiam as condições da sua existência, independentemente do preço que tenham de pagar. Eles estão dispostos a manter a sua própria individualidade, não importa o que aconteça.

Mais tarde, o nome Bolt foi eclipsado, condicionado pelas limitações de uma doença e de uma vida sentimental e familiar tempestuosa. No entanto, o seu último momento triunfante seria o roteiro de A Missão de Roland Joffé (1986).

São Tomás Mais

O inglês Robert Bolt (1924-1995) ensinou numa escola em Devon, mas desistiu de ensinar após o sucesso dos seus guiões, incluindo Lawrence da Arábia, Doutor Zhivago e A Missão.

As personagens de Bolt's Moor

Não foi concebido para evocar um santo, até porque Bolt não se considerava um cristão e durante algum tempo simpatizou com um santo. o comunismo idealizada. Bolt's Moro é um homem marcado por um sentido energético de individualidade, da sua própria identidade. Pela sua forma de compreender o mundo, ele está preparado para perder a sua vida.

O autor aprecia que teria sido fácil para ele manter as suas honras, colocando a sua mão num livro encadernado e proferindo "uma mentira banal". Em contraste, os outros cortesãos, que rodeiam Thomas More, são oportunistas, mentirosos e corruptos, dispostos a fazer qualquer coisa para se manterem no topo. Os retratos dos Bispos Wolsey e Cranmer, ou dos nobres Cromwell e Norfolk são devastadores, mas o retrato de Henrique VIII é menos devastador.

O rei aparece no palco apenas uma vez. Ele é um homem jovem, cavalheiro e bem educado, que aprecia sinceramente Moro e lamenta que a sua opinião sobre o divórcio real não coincida com a sua.

 

Henrique VIII aparece uma vez no local. Ele é um homem jovem, cavalheiro e bem educado, que gosta de mouros e lamenta que eles não concordem com o divórcio. 

Os actores

Alguns dizem que o actor Paul Scofield não era bem adequado para fazer de mouro. Ele é demasiado sério para um cristão bem-humorado como o Senhor Chanceler de Inglaterra. Na verdade, o problema reside na visão de Bolt de Mais. Ele está certo em fazer uso da passagem do Evangelho sobre o bem que é para um homem ganhar o mundo inteiro, se ele perder a sua alma (Mt 16,26), embora Bolt possa ter querido substituir a individualidade, o modo específico de ser, pela alma.

Mas se há alguém que é repulsivo na peça, mais para Bolt do que talvez para More ele próprio, é Richard Rich, um jovem carreirista que se move em torno do Senhor Chanceler na esperança de lhe ser concedido um cargo. Não atingindo o seu objectivo, ele junta-se à comitiva de Cromwell, que o recompensa desde o início, e até testemunha contra More no seu julgamento perante o parlamento.

Conclusões

Recomendo que professores e não-professores leiam, ou vejam o diálogo entre Rich e More no início da peça. Rich é oferecido um cargo de mestre de escola, com a sua própria casa e um rendimento anual de £50. Mas o jovem, faminto de fama e honras, considera esta oferta dos mouros como insignificante, pois equivale a uma vida marcada pela mediocridade. Ninguém saberá que ele é um grande professor, excepto os seus alunos e amigos. É mais atraente dedicar-se à política, apesar do risco de cair em tentação, algo que Moro queria evitar com os seus conselhos.

Antonio R. Rubio Plo
Licenciado em História e Direito
Escritor e analista internacional
@blogculturayfe / @arubioplo

UMA VOCAÇÃO 
QUE DEIXARÁ A SUA MARCA

Ajude a semear
o mundo dos padres
DONAR AGORA