Fundação CARF

22 fevereiro, 23

Blog

Quaresma: o que é e o que significa, definição e orações

A Igreja propõe a todos os cristãos que sigam o exemplo de Cristo no seu retiro para o deserto, preparamo-nos, neste tempo de Quaresma, para a celebração das solenidades pascais, com a purificação do coração, e uma atitude penitencial.

"Todos os anos, durante os quarenta dias da Grande Quaresma, a Igreja une-se ao Mistério de Jesus no deserto", Catecismo da Igreja Católica, 540.

O que é a Quaresma?

O significado de Quaresma vem do latim "quadragesima", período litúrgico de quarenta dias reservado para a preparação da Páscoa. Quarenta dias em alusão aos 40 anos que o povo de Israel passou no deserto com Moisés e o 40 dias Jesus passou no deserto antes de começar a sua vida pública.

Este é um tempo de preparação e conversão para participar no momento culminante da nossa liturgia, juntamente com toda a Igreja Católica, que começamos na quarta-feira com grande entusiasmo.

No Catecismo, a Igreja propõe-se a seguir o exemplo de Cristo no seu retiro no deserto, em preparação para as solenidades da Páscoa. É um momento particularmente apropriado para exercícios espirituaiso liturgias penitenciais, os peregrinações como sinal de penitência, privações voluntárias, tais como a jejum e a esmolae a comunicação cristã de bens por meio de obras caritativas e missionárias.

Este esforço de conversão é o movimento do coração contrito, desenhado e movido pela graça para responder ao amor misericordioso de Deus, que nos amou primeiro.

"Não podemos considerar esta Quaresma como apenas mais uma estação, uma repetição cíclica da estação litúrgica. Este momento é único; é uma ajuda divina a ser bem-vinda. Jesus passa ao nosso lado e espera de nós - hoje, agora - uma grande mudança". É Cristo que Passa, nº 59.

Quando é que a Quaresma começa?

A imposição de cinzas na testa dos fiéis, Quarta-Feira de Cinzas, é o início desta viagem. Constitui um convite à conversão e penitência. É um convite a percorrer a Quaresma como uma imersão mais consciente e mais intensa no mistério pascal de Jesus, na sua morte e ressurreição, através da participação na Eucaristia e na vida de caridade.

O tempo de A Quaresma termina na quinta-feira santaantes da missa em coena Domini (a Ceia do Senhor), que inicia a Tríduo da Páscoa, Sexta-feira Santa e Sábado da Glória.

Durante estes dias olhamos para dentro de nós mesmos e assimilamos o mistério do Senhor sendo tentados no deserto por Satanás e a sua ida a Jerusalém para a sua Paixão, Morte, Ressurreição e Ascensão ao Céu.

Recordamos que devemos converter-nos e crer no Evangelho e que somos pó, homens pecadores, criaturas e não Deus.

"Que melhor maneira de começar a Quaresma? Nós renovamos a fé, a esperança, a caridade. Esta é a fonte do espírito de penitência, do desejo de purificação. A Quaresma não é apenas uma ocasião para intensificar as nossas práticas externas de mortificação: se pensássemos que é apenas isso, perderíamos o seu profundo significado na vida cristã, porque estes actos externos são - repito - o fruto da fé, da esperança e do amor". Cristo Está a Passar, no. 57.

Como viver a Quaresma?

A Quaresma pode ser vivida através da Sacramento da Confissão, oração e atitudes positivas.

Católicos nós preparamo-nos para os principais eventos de Páscoa através dos pilares do oração, jejum e esmola. Eles guiam-nos na nossa reflexão diária sobre as nossas próprias vidas enquanto esforçamo-nos por aprofundar o nosso relacionamento com Deus e um com o outronão importa em que parte do mundo vive o seu vizinho. A Quaresma é um tempo de crescimento pessoal e espiritual, um tempo para olhar para fora e para dentro. É um tempo de misericórdia.

Arrependimento e confissão

Como um tempo de penitência, a Quaresma é um tempo de penitência é um bom momento para ir à confissão. Não é obrigatório, nem existe qualquer mandato da Igreja para o fazer, mas enquadra-se muito bem nas palavras do Evangelho que o padre repete na Quarta-feira de Cinzas.Lembre-se que é pó e ao pó deverá regressar" o "Ser convertido e acreditar no Evangelho".

Nestas palavras sagradas há um elemento comum: a conversão. E este aqui só é possível através do arrependimento e da mudança de vida.. Portanto, a confissão durante a Quaresma é uma forma prática de pedir perdão a Deus pelos nossos pecados e começar de novo. A forma ideal para iniciar este exercício de introspecção é através de um exame de consciência.

Penitência

Penitência, tradução latina da palavra grega ".metanoia". que na Bíblia significa a conversão do pecador. Designa um todo um conjunto de actos interiores e exteriores destinados a reparar o pecado cometidoe o estado de coisas resultante para o pecador. Literalmente mudança de vida, diz-se do acto do pecador que regressa a Deus depois de ter estado longe dEle, ou do incrédulo que chega à fé.

Conversão

Tornar-se é reconciliar-se com DeusPara se afastar do mal, para estabelecer amizade com o Criador. Uma vez em graça, após a confissão e o que ela implica, devemos partir para a mudança de dentro de tudo o que é desagradável para Deus.

A fim de realizar o desejo de conversão, é possível fazer o seguinte trabalhos de conversãotais como, por exemplo: Assistir aos sacramentossuperando divisões, perdoando e crescendo num espírito fraterno; praticando o Obras de Misericórdia.

Jejum e abstinência

A Igreja convida os seus fiéis a observância do preceito de jejum e abstinência de carne, compêndio do Catecismo 432.

O jejum consiste em uma refeição por dia, embora seja possível comer um pouco menos do que o habitual de manhã e à noite. Excepto em caso de doença. Todos os adultos são convidados a jejuar até terem cinquenta e nove anos de idade. Tanto na Quarta-Feira de Cinzas como na Sexta-Feira Santa.

Chama-se abstinência abster-se de carne às sextas-feiras da Quaresma. A abstinência pode começar a partir da idade de catorze anos.

Deve-se ter o cuidado de não viver o jejum ou a abstinência como um mínimo, mas como uma forma concreta em que a nossa Santa Mãe Igreja nos ajude a crescer no verdadeiro espírito de penitência e alegria.

Mensagem do Santo Padre para a Quaresma de 2023

"Caros irmãos e irmãs:

Os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas concordam em relatar o episódio da Transfiguração de Jesus. Neste caso, vemos a resposta que o Senhor deu aos seus discípulos quando eles mostraram incompreensão para com Ele. De facto, pouco tempo antes tinha havido um confronto real entre o Mestre e Simão Pedro que, depois de professar a sua fé em Jesus como o Cristo, o Filho de Deus, rejeitou a sua proclamação da paixão e da cruz. Jesus repreendeu-o severamente: "Põe-te atrás de mim, Satanás! Tu és um obstáculo para mim, porque os teus pensamentos não são os pensamentos de Deus, mas os pensamentos dos homens" (Mateus 24:15).Mt 16,23). E "depois de seis dias Jesus tomou Pedro, Tiago e seu irmão João e conduziu-os sozinhos até uma alta montanha" (Mt 17,1).

O Evangelho da Transfiguração é proclamado todos os anos no segundo Domingo da Quaresma. De facto, durante esta época litúrgica, o Senhor leva-nos a Si mesmo e conduz-nos a um lugar à parte. Mesmo que os nossos compromissos diários nos obriguem a permanecer onde habitualmente estamos, vivendo uma vida diária muitas vezes repetitiva e por vezes aborrecida, em Na Quaresma somos convidados a "escalar uma montanha alta" juntamente com Jesus, para viver com o Povo Santo de Deus uma experiência particular de asceticismo.

A ascese quaresmal é um compromisso, sempre animado pela graça, para superar a nossa falta de fé e a nossa resistência em seguir Jesus no caminho da cruz. Era precisamente o que Pedro e os outros discípulos precisavam. Para aprofundar o nosso conhecimento do Mestre, para compreender e aceitar plenamente o mistério da salvação divina, realizada no dom total de si mesmo por amor, devemos deixar-nos conduzir por Ele a um lugar deserto e elevado, distanciando-nos da mediocridade e da vaidade. É necessário partir para uma viagem, uma viagem de subida, que requer esforço, sacrifício e concentração, como uma caminhada de montanha. Estes requisitos são também importantes para a viagem sinodal que nós, como Igreja, nos comprometemos a fazer. Far-nos-á bem reflectir sobre esta relação entre a ascética quaresmal e a experiência sinodal.

Quaresma, caminhando com aqueles que o Senhor colocou a nosso lado

No "retiro" no Monte Tabor, Jesus levou consigo três discípulos, escolhidos para serem testemunhas de um acontecimento único. Ele queria que esta experiência de graça não fosse uma experiência solitária, mas uma experiência partilhada, como é, afinal, toda a nossa vida de fé. Nós devemos seguir Jesus juntos. E juntos, como Igreja peregrina no tempo, vivemos o ano litúrgico e, nele, a Quaresma, caminhando com aqueles que o Senhor colocou a nosso lado como companheiros de viagem. Analogamente à ascensão de Jesus e dos seus discípulos ao Monte Tabor, podemos afirmar que o nosso caminho quaresmal é "sinodal", porque caminhamos juntos no mesmo caminho, discípulos do único Mestre. Sabemos, de facto, que Ele próprio é o Caminho E assim, tanto no caminho litúrgico como no do Sínodo, a Igreja nada mais faz do que entrar cada vez mais plena e profundamente no mistério de Cristo Salvador.

E chegamos ao clímax. O Evangelho diz que Jesus "foi transfigurado diante deles: o seu rosto brilhava como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz" (Mt 17,2). Aqui está o "cume", o objectivo da viagem. No final da subida, enquanto no topo da montanha com Jesus, os três discípulos receberam a graça de o ver na sua glória, brilhando com uma luz sobrenatural. Uma luz que não vinha de fora, mas irradiava de Si mesmo. A beleza divina desta visão era incomparavelmente maior do que qualquer esforço que os discípulos poderiam ter feito para escalar o Tabor. Como em qualquer caminhada de montanha exigente, à medida que se sobe é necessário manter os olhos fixos no caminho; mas o maravilhoso panorama que se revela no final é espantoso e vale a pena. Também o processo sinodal parece muitas vezes uma viagem árdua, o que por vezes nos pode desencorajar. Mas o que nos espera no final é sem dúvida algo maravilhoso e surpreendente, que nos ajudará a compreender melhor a vontade de Deus e a nossa missão ao serviço do seu Reino.

A experiência dos discípulos no Monte Tabor foi ainda mais enriquecida quando, ao lado do Jesus transfigurado, apareceram Moisés e Elias, que personificam respectivamente a Lei e os Profetas (cf. Mt 17,3). A novidade de Cristo é o cumprimento da Velha Aliança e das promessas; é inseparável da história de Deus com o seu povo e revela o seu profundo significado. Da mesma forma, o caminho sinodal está enraizado na tradição da Igreja e, ao mesmo tempo, aberto à novidade. A tradição é uma fonte de inspiração para procurar novos caminhos, evitando as tentações opostas da imobilidade e da experimentação improvisada.

Transformação pessoal e de toda a Igreja

A viagem ascética da Quaresma, tal como a viagem sinodal, tem como objectivo uma transfiguração pessoal e eclesial. Uma transformação que, em ambos os casos, encontra o seu modelo no de Jesus e é levada a cabo através da graça do seu mistério pascal. Para que esta transfiguração se realize em nós este ano, gostaria de propor dois "caminhos" a seguir para ascender juntamente com Jesus e alcançar a meta com Ele.

A primeira refere-se ao imperativo que Deus Pai dirigiu aos discípulos no Tabor, enquanto eles olhavam para Jesus transfigurado. A voz que se ouvia da nuvem dizia: "Escutai-o" (Mt 17,5). A primeira indicação é, portanto, muito clara: ouça Jesus. A Quaresma é um tempo de graça na medida em que ouvimos Aquele que nos fala. E como é que Ele fala connosco? Antes de mais, na Palavra de Deus, que a Igreja nos oferece na liturgia. Não a deixemos cair em ouvidos moucos. Se nem sempre podemos participar na Missa, meditemos nas leituras bíblicas diárias, mesmo com a ajuda da Internet. Para além de nos falar nas Escrituras, o Senhor fala-nos através dos nossos irmãos e irmãs, especialmente nos rostos e histórias daqueles que precisam de ajuda. Mas gostaria também de acrescentar outro aspecto, que é muito importante no processo sinodal: a escuta de Cristo envolve também a escuta dos nossos irmãos e irmãs na Igreja; aquela escuta mútua que em algumas fases é o objectivo principal, e que, em qualquer caso, é sempre indispensável no método e estilo de uma Igreja sinodal.

Quando ouviram a voz do Pai, "os discípulos caíram de cara para o chão, cheios de medo". Jesus aproximou-se deles e, tocando-os, disse-lhes: "Levantai-vos, não tenhais medo". Quando levantaram os olhos, não viram mais ninguém senão Jesus sozinho" (Mt 17,6-8). Esta é a segunda indicação para esta Quaresma: não se refugiar numa religiosidade feita de acontecimentos extraordinários, de experiências sugestivas, por medo de enfrentar a realidade com as suas lutas diárias, as suas dificuldades e as suas contradições. A luz que Jesus mostra aos discípulos é uma antecipação da glória pascal e devemos ir ao seu encontro, seguindo "só Ele". A Quaresma está orientada para a Páscoa. O "retiro" não é um fim em si mesmo, mas prepara-nos para viver a paixão e a cruz na fé, na esperança e no amor, a fim de alcançar a ressurreição. Do mesmo modo, a viagem sinodal não nos deve acalmar na ilusão de que chegamos quando Deus nos concede a graça de algumas fortes experiências de comunhão. Também ali o Senhor nos repete: "Levantai-vos, não tenhais medo". Desçamos à planície e que a graça que experimentamos nos sustente para sermos artesãos da sinodalidade na vida ordinária das nossas comunidades.

Caros irmãos e irmãs, que o Espírito Santo para nos encorajar durante este tempo de Quaresma na nossa escalada com Jesus, para que possamos experimentar o seu brilho divino e assim, fortalecidos na fé, possamos avançar juntos no caminho com Ele, a glória do seu povo e a luz das nações". Papa Francisco, 2023.

Orações para a Quaresma

A oração com o coração aberto é a melhor preparação para a Páscoa. Podemos ler e reflectir sobre o Evangelho, podemos rezar a Via Crusis. Podemos recorrer ao Catecismo da Igreja Católica e seguir as celebrações litúrgicas com o Missal Romano. O importante é que encontramos o amor incondicional que é Cristo.

Senhor Jesus, com a sua cruz e

Ressurreição que você nos fez

grátis. Durante esta Quaresma,

conduza-nos pelo seu Espírito Santo a

viver mais fielmente na liberdade

Cristão. Através da oração,

aumento da caridade e do

disciplinas desta época

Santo, aproxima-nos de Ti.

Purificar as minhas intenções

coração, para que todos os meus

As práticas quaresmais são as seguintes

os seus louvores e glória. Conceda que

pelas nossas palavras e acções,

podemos ser mensageiros fiéis

da mensagem do Evangelho a um

mundo que precisa do

a esperança da sua misericórdia.

Amém.

Bibliografia:

  • Opusdei.org.
  • O Catecismo da Igreja Católica.
  • Catholic.net.
  • Aciprensa.

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA