Fundação CARF

28 de abril, 23

Blog

A Universidade Pontifícia da Santa Cruz e a sua relação com a Fundação CARF

A Universidade Pontifícia da Santa Cruz é um centro superior de estudos eclesiásticos ao serviço de toda a Igreja. O seu fundador foi o Beato Álvaro del Portillo, que cumpriu um antigo desejo de São Josemaria. Estudaram nela mais de 20.000 estudantes de 1.000 dioceses e 200 congregações religiosas.

A Universidade Pontifícia de Santa Cruz e a sua relação com a Fundação CARF

As actividades académicas do PUSC tiveram início em 1984, com o nome de Centro Académico Romano de Santa CroceA Universidade, que foi erigida como "Pontifícia" pelo Santo Padre, é a semente da actual Universidade. João Paulo II em 9 de Janeiro de 1990.

O Pontifícia Universidade da Santa Cruz Actualmente, é constituído pelas Faculdades de Teologia, Direito Canónico, Filosofia e Comunicação Social Institucional; o Instituto Superior de Ciências Religiosas dos Apolinários é também uma parte essencial do mesmo.

A Fundação CARF e o seu compromisso com a formação

Centenas de bispos de todo o mundo pedem bolsas de estudo à Universidade e a Fundação CARF encarrega-se de obter os fundos para enviar sacerdotes diocesanos, seminaristas e religiosos para estudar nas suas salas de aula. O objectivo da Fundação CARFdesde 1989, é proporcionar a estes jovens uma formação científica e espiritual aprofundada no PSUC.

A missão específica da Universidade Pontifícia da Santa Cruz é aprofundar o conteúdo intelectual e a riqueza antropológica da fé, estabelecendo ao mesmo tempo um diálogo com a cultura contemporânea.

A Universidade Pontifícia de Santa Cruz: uma educação aberta ao mundo

O Santa Croce caracteriza-se, por um lado, pela sua abertura ao mundo, em diálogo com a cultura secular. Tanto no ensino como na investigação há um olhar atento aos problemas do mundo, consciente de que a partir das ciências sagradas se pode contribuir para a procura da verdade.

Temas como a antropologia, a doutrina social e a defesa da vida são objecto de estudo. Além disso, a grande maioria dos professores da Pontifícia Universidade da Santa Cruz obteve graus académicos civis nas várias áreas do conhecimento, o que facilita este diálogo.

Seguindo o desejo do Beato Álvaro del Portillo, as actividades académicas estão abertas a estudiosos e intelectuais nos campos científico, filosófico, económico e social, fornecendo os elementos necessários para um verdadeiro diálogo de fé com o mundo.

Entre as principais heranças espirituais recebidas por São Josemaría Escrivá é, sem dúvida, a exortação a cultivar uma profunda unidade de vida. Esta manifesta-se não só numa correcta coerência entre as palavras e os actos, mas também através da harmonia que deve existir entre a formação profissional e intelectual, por um lado, e a formação espiritual e teológica, por outro.

"Santa Croce caracteriza-se pela sua abertura ao mundo, em diálogo com a cultura secular",

Luis Navarro, reitor do PUSC desde 2016.

Porque é importante para a Fundação CARF que os seminaristas e os sacerdotes tenham acesso à formação na Universidade Pontifícia da Santa Cruz.

Em primeiro lugar, porque Roma é o berço do cristianismo! Há alguns anos, o Papa Bento XVI, Dirigindo-se aos estudantes das universidades romanas, disse-lhes que "a possibilidade de estudar em Roma, sede do sucessor de Pedro e, portanto, do ministério petrino, ajuda-vos a reforçar o vosso sentido de pertença à Igreja e o vosso compromisso de fidelidade ao magistério universal do Papa".

O sentido de união com toda a Igreja, que se reforça na cidade eterna, é também importante durante a formação em Roma. Percorrer as ruas por onde passaram tantas mulheres e homens santos é impressionante e um incentivo para cada um de nós. A isto junta-se outro factor: em Roma toca-se a universalidade da Igreja. Vê-se, fala-se e vive-se com católicos de todo o mundo: pessoas de culturas, tradições e raças muito diferentes, mas ao mesmo tempo muito próximas umas das outras porque acreditam, anunciam e amam Jesus Cristo. Descobrir isto abre-lhe um grande horizonte na sua vida interior: pertencer à grande família de Deus.

Por isso mesmo, a Universidade Pontifícia de Santa Cruz é uma instituição aberta ao mundo e desenvolve um trabalho de formação O objectivo é permitir que os estudantes ajudem os homens e as mulheres do seu país a encontrar Deus precisamente nas realidades temporais. A maioria dos fiéis são cidadãos que precisam de receber uma formação que lhes permita ser santos na sua vida quotidiana.

A visita anual dos benfeitores da Fundação CARF ao PUSC de Roma

Todos os anos, a fundação organiza um dia de encontros e de formação em Roma, onde os benfeitores e os amigos têm a oportunidade de conhecer alguns dos estudantes que apoiam e de conversar e almoçar com eles. Podem também visitar o PUSC e participar em algumas conferências proferidas por professores ou personalidades envolvidas nos domínios académico, cultural ou da comunicação.

Os participantes realizam um verdadeiro peregrinação a Roma A visita ao Seminário Internacional Sedes Sapientiae, ao Colégio Sacerdotal Tiberino, as escavações da Necrópole Vaticana, juntamente com alguns estudantes da universidade, e a Audiência e o Angelus com o Papa Francisco.

Durante a viagem, os benfeitores podem ver porque é que a Pontifícia Universidade da Santa Cruz é única entre todas as outras Universidades Pontifícias. Para além das três faculdades principais, a PUSC apoia também o Instituto de Estudos Religiosos e vários centros de investigação. Um desafio difícil nos nossos tempos, mas ao qual dedica todos os seus esforços para que, através da educação, possa também contribuir para a evangelização e a difusão da mensagem de Cristo.

"Graças aos meus benfeitores da Fundação CARF. Por vezes, pode ser normal para um jovem europeu ter a oportunidade de ser educado numa universidade tão prestigiada como a Pontifícia Universidade da Santa Cruz, mas posso assegurar-vos que não é assim para as pessoas do meu país: a vossa ajuda permitiu-me ter a oportunidade de estudar em Roma e de partilhar a minha vida e a minha fé com outros jovens seminaristas de todo o mundo. Por isso, o meu desejo é que Deus o abençoe no seu trabalho quotidiano e mantenha esse coração maravilhoso em si.

Mathias Msonganzila, seminarista na Arquidiocese de Mwanza, Tanzânia.

Bibliografia

- Entrevista com o Sr. Luis NavarroGerardo Ferrara.
- Entrevista com Mª Dolores Cuadrado, correspondente da Fundação CARF em Valladolid.
- Entrevista com o Sr. Mariano Fazio por ocasião do seu 28º livro: "Liberdade para amar, através dos clássicos", Marta Santín.

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA