Fundação CARF

2 março, 23

Testemunhos de vida

"Os cristãos na Terra Santa são uma minoria em número, não em qualidade".

Nascido de um pai ortodoxo, mãe católica e baptizado Melkite, ele foi educado numa escola anglicana. No entanto, o Padre Marwan acabou por se tornar um padre franciscano ordenado. Depois de ter servido como pároco na Basílica da Anunciação em Nazaré, interessou-se pela comunicação institucional para ajudar os cristãos na Terra Santa. Ele estudou na Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma, graças à Fundação CARF.

- É um prazer cumprimentá-lo, caro Padre Marwan, especialmente nestes dias em que estamos de novo a ver na televisão e a ler nos jornais sobre os conflitos que abalam Jerusalém e a Terra Santa. Falar com alguém que está empenhado na comunicação institucional e com os cristãos na Terra Santa ajuda-nos a compreender como é grande a complexidade daquela parte do mundo. E você é um exemplo dessa complexidade.

Sim, eu nasci em Jerusalém em 1974, numa família ecuménica. O meu pai era da Igreja Ortodoxa e a minha mãe é da Igreja Latina. Tal como antecipou, fui baptizado pelos Melkitas, porque o tio da minha mãe era um padre Melkite. Quando eu nasci, ele pediu aos meus pais para me baptizarem pessoalmente, e fê-lo de acordo com o seu rito. Depois disso, os meus pais queriam que eu frequentasse uma das melhores escolas que temos em Jerusalém. Por isso matricularam-me na escola anglicana. E no final, com um pai ortodoxo, uma mãe latina, baptizada pelos Melkitas e educada pelos anglicanos, entrei finalmente no convento dos Franciscanos na Terra Santa.

A complexidade dos cristãos na Terra Santa

- Bem, algo muito fascinante mas não muito fácil de entender para aqueles que não vivem no Oriente e não estão familiarizados com esta complexidade?

E lembre-se, o meu primeiro contacto com a fé foi, de facto, na Igreja Anglicana. Na escola fomos à igreja para rezar, obviamente de acordo com o rito anglicano. Ao mesmo tempo, os meus pais enviaram-me ao oratório da igreja paroquial, que era uma paróquia latina. Eu ia uma vez por semana e todas as vezes que podia. Nessa altura conheci alguns jovens amigos, não da escola mas do bairro, que faziam parte da Juventude Franciscana da Cidade Velha de Jerusalém. Juntei-me a eles porque gostava da maneira como se encontravam para rezar e meditar sobre a palavra de Deus. Pouco a pouco fui conhecendo melhor os frades franciscanos e comecei a sentir o chamado de Deus para fazer parte desta fraternidade franciscana.

No fim do meu último ano do ensino secundário, já tinha decidido entrar no convento para um julgamento da vida franciscana com os frades da Custódia da Terra Santa. Os meus pais opuseram-se fortemente. No entanto, depois de muita insistência da minha parte, eles permitiram-me entrar no convento.

- Um cidadão israelita, de etnia árabe-palestiniana, de fé cristã e, além disso, suscitado entre várias confissões e ritos. Como se vive esta complexa identidade?

Certamente, como um palestino nativo de Jerusalém, que na realidade está em Israel, um país de tantas etnias, com uma origem eclesial realmente diversa, não tem sido e ainda não é fácil... Bem, repare que em Jerusalém todos gostariam de ter um pequeno lugar.

E não tem sido fácil, antes de mais nada, porque em Terra Santa uma pessoa tem de se adaptar a tantas mentalidades e a tantas formas de existir. E não estou a falar apenas dos cidadãos árabes israelitas, mas também das muitas mentalidades diferentes dos muitos peregrinos que visitam a Terra Santa o tempo todo, e muitas vezes dos muitos estrangeiros que lá vivem. Por um lado, a sua presença pode ser um desafio; por outro lado, é também uma riqueza. Um desafio porque é necessário ter simultaneamente um espírito ecuménico e uma abertura inter-religiosa. A riqueza está em saber captar e apreciar as melhores mensagens de todas estas culturas.

Quantos cristãos existem na Terra Santa

- Quantos cristãos existem na Terra Santa, de que confissão e quais são as suas necessidades particulares?

Os cristãos na Terra Santa são de muitas igrejas diferentes. Há a Igreja Católica, a Igreja Anglicana, a Igreja Protestante, bem como as Igrejas Ortodoxas. No entanto, nós cristãos vivemos juntos em grande harmonia de fé, porque acreditamos no mesmo Deus e salvador Jesus Cristo. A nossa necessidade absoluta é afirmar a nossa existência e presença, como um corpo unido, porque somos menos de 2 % da população da Terra Santa (só o Estado de Israel tem quase 9,5 milhões de habitantes). Portanto, somos realmente uma minoria.

É normal que haja esta necessidade de auto-afirmação e de dizer que estamos realmente presentes. De facto, estamos presentes do ponto de vista científico e educativo, do ponto de vista administrativo, no mundo do trabalho e dos negócios, e também do ponto de vista da fé.

Diálogo inter-religioso

- E este aspecto da fé e do diálogo é muito importante, pois sabemos que os cristãos desempenham um papel especial nas conversações de paz porque têm as melhores escolas do país. Estatisticamente, eles são os mais bem sucedidos nos seus estudos, especialmente em campos como a medicina. E são um verdadeiro factor de unidade nacional, mesmo que estejam espremidos entre as duas grandes denominações maioritárias: o judaísmo e o islamismo.

De facto, estamos. Somos um dos componentes que compõem a sociedade que vive na Terra Santa, entre cristãos, muçulmanos, judeus, drusos e outros. O que acontece a nível sociopolítico em toda a sociedade, acontece-nos também a nós. E o que os outros podem experimentar, nós também o experimentamos. Mas estar na minoria significa que somos fortes. Estamos presentes, de facto, em muitas áreas, como você disse. Também somos influentes graças ao apoio da Igreja.

Evangelização através dos meios de comunicação social na Terra Santa

- Está actualmente a estudar Comunicação Institucional na Pontifícia Universidade da Santa Cruz. Quando terminar os seus estudos, quais serão os seus objectivos apostólicos? Gostaríamos também de saber mais sobre a sua carreira antes de vir para Roma.

Tenho estado muito envolvido no apostolado e na formação pedagógica. Fui director de uma escola durante 15 anos e também fui pároco tanto na cidade de Belém como na paróquia da cidade de Nazaré. Além disso, trabalhei em vários campos educacionais e pastorais, tais como na "Casa del Fanciullo", um centro para crianças com distúrbios físicos e sociais particulares. Agora a minha direcção está a mudar, num sentido do método do meu trabalho. Contudo, o objectivo permanece e permanecerá sempre para servir a palavra de Deus, para promover e proclamar a sua mensagem de salvação. Evangelização é a palavra chave do meu estudo.

Por esta razão, estou actualmente a treinar com vista a regressar e trabalhar no Centro de Mídia Cristã em Jerusalémonde serei capaz de evangelizar através dos media no meu país. Gostaria de transmitir a voz dos cristãos na Terra Santa a nível nacional e internacional, porque a nossa voz deixa claro que somos as pedras vivas da Terra de Jesus, e a nossa vida é uma missão, uma vocação para perseverar na fé. Representar a verdadeira identidade dos cristãos na Terra Santa é um dever, e se eu realmente o quero fazer, tenho de saber como fazê-lo, por isso escolhi estudar Comunicação Social e Institucional na Universidade Pontifícia da Santa Cruz em Roma.

O apoio decisivo dos benfeitores da Fundação CARF

- E neste sentido, é também importante a contribuição dos nossos benfeitores, que o ajudam a si e a outros estudantes de todo o mundo a serem devidamente formados para poderem servir cada um na sua realidade particular...

Claro que sim! Em árabe diz-se que a palavra "sim" é uma palavra abençoada pelo Senhor, porque mostra a adesão ao seu plano, e a adesão por sua vez mostra fé. Vocês, caros benfeitores da Fundação CARF, deram um testemunho de fé ao aderir ao pedido de ajuda feito pela nossa Pontifícia Universidade da Santa Cruz, que está a formar pessoas que poderão, graças a esta preparação, trabalhar melhor no campo do Senhor, por isso o vosso "sim" é verdadeiramente abençoado pelo Senhor. Ele lhe trará todas as suas bênçãos, porque de forma indirecta você participou na difusão da palavra de Deus na mensagem de salvação. Vocês são os nossos parceiros na evangelização. Por isto vos agradeço e oro por vós, e o Senhor recompensar-vos-á pela vossa generosidade.

- Muito obrigado, caro Padre Marwan... E como se diz na Terra Santa... Shalom, Salam!

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Responsável pelos estudantes da Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma.

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA