DONAR AGORA

Cristãos perseguidos

A expressão "cristãos perseguidos" evoca frequentemente os primeiros três séculos da era cristã, quando o Império Romano matou inúmeras pessoas por causa da o "crime" de ser cristão. Para além dos incidentes locais, durante estes séculos os cristãos sofreram dez grandes perseguições por parte da Roma pagã. A primeira grande perseguição (64-68) foi a do imperador Nero e a décima (303-311), que foi a maior, foi a dos imperadores Diocleciano e Galério.

Mártires cristãos

No entanto, ao longo da história da Igreja, tem havido muitos mártires, ou seja, cristãos que morreram in odium fidei (por ódio à fé) e nos últimos séculos o número de mártires cristãos excedeu o da Idade Antiga.

A Revolução Francesa matou, aprisionou, exilou ou deportou para colónias penais muitos milhares de padres católicos, e reprimiu o culto católico durante anos. Como resultado, entre 1793 e 1796 houve uma revolta popular na região de Vandée, em França. Os Vandeanos pegaram em armas para resistir à perseguição da fé católica. As autoridades revolucionárias não só derrotaram os Vandeanos, como também aniquilaram uma grande parte da população civil da Vandée. Foi o primeiro genocídio moderno. Embora estas atrocidades da Grande Revolução estejam bem documentadas, a histografia "oficial" ainda tenta negá-las, minimizá-las ou ocultá-las.

IMG 20200212 194128 1

Nader Kamil Malak Shaker é um padre católico copta e um religioso do Instituto do Verbo Encarnado. Ele nasceu em Menia (Egipto) há 30 anos atrás. No seu país, ser cristão é muito difícil por causa das perseguições de que é alvo. A Igreja no Egipto é uma Igreja de mártires. Ele conta-nos o seu testemunho

As perseguições anti-cristãs de hoje

O século 20 produziu de longe o maior número de mártires cristãos. Por causa da vastidão do assunto, mencionarei aqui apenas seis das maiores perseguições anti-cristãs daquele século:

  • O Genocídio Arménio (1915-1923): mais de 1,5 milhões de arménios cristãos foram massacrados sob as ordens dos Jovens Turcos (um grupo de liberais e maçons) durante o fim do Império Otomano e o início da República da Turquia.
  • Perseguição anti-católica no México (1917-1929): Isto também foi de cariz maçónico. Muitos sacerdotes foram fuzilados por celebrarem os sacramentos, e muitos católicos rebeldes (os "Cristeros") foram eliminados não só nos campos de batalha, mas também depois de deporem as suas armas em obediência aos bispos.
  • O Holodomor ou genocídio ucraniano (1932-1934): milhões de ucranianos (na sua maioria cristãos) morreram numa fome criada artificialmente pelo regime comunista de Estaline.
  • Perseguição anticatólica em Espanha, antes e durante a Guerra Civil (1936-1939): o lado republicano assassinou pelo menos 6.832 padres, bispos, religiosos e religiosas, e muitos milhares de fiéis leigos católicos, bem como violou milhares de freiras e queimou centenas de igrejas e conventos.
  • Perseguição nazi (1933-1945): Cerca de 3.000 padres, bispos, religiosos e religiosas católicos (cerca de 10.700 dos quais polacos) foram internados pelos nazis no campo de concentração de Dachau, e outros 5.000 foram presos noutros campos de concentração nazis. Quase metade deles morreram lá. Os jovens cristãos alemães do grupo White Rose desenvolveram uma resistência não violenta contra o regime nazi e sofreram uma severa perseguição.
  • Perseguição comunista na União Soviética e na Europa Oriental (1927-1991): É-me impossível resumir esta enorme, terrível e contínua perseguição anti-cristã. Os católicos sofreram perseguições muito duras, especialmente na Lituânia, Ucrânia, Hungria, Checoslováquia, Roménia e Albânia.

No século XXI, os cristãos continuam a ser perseguidos, especialmente em quatro áreas geográficas

  1. no Norte de África e Ásia Ocidental por islamistas radicais.
  2. no Extremo Oriente pelos restantes regimes comunistas.
  3. na Índia por extremistas hindus
  4. no Ocidente, sem sangue, por secularistas (liberais ou progressistas). Elaborarei um pouco sobre os dois primeiros casos.

Perseguição dos cristãos pelos regimes comunistas 

Em relação ao segundo caso, só posso dizer que a tarefa de liquidar os totalitarismos do século XX não estará concluída enquanto o regime comunista na China, que procura primeiro a subjugação e depois a destruição de todos os cultos religiosos, e especialmente do cristianismo, permanecer em vigor. O A perseguição anti-cristã continua a toda a velocidade na China e é agora suportado por um sistema de vigilância electrónica Orwellian. Agora a cortina de ferro de um sistema de vigilância electrónica orwelliana.

Agora a cortina de ferro chinesa está a encerrar Hong Kong, que até muito recentemente era um relativo oásis de liberdade. Tudo isto está a acontecer no meio do silêncio esmagador do outrora Ocidente cristão e da indiferença ou passividade da maioria dos heróicos irmãos e irmãs cristãos na fé da China.

Daniel Iglesias Grèzes
Publicado em https://danieliglesiasgrezes.wordpress.com/