Fundação CARF

1 de fevereiro, 23

Blog

Conheça os diferentes vasos sagrados e objectos litúrgicos.

Quando falamos de vasos sagrados, estamos a referir-nos aos objectos litúrgicos necessários para a celebração da Santa Missa, que são também responsáveis pela correcta preservação do corpo de Cristo. Falamos-lhe de todos os elementos contidos na Mochila Sagrada da Fundação CARF (agora mochila).

Objectos litúrgicos: o que são vasos sagrados?

Os objectos litúrgicos tornaram-se cada vez mais importantes desde os primeiros séculos do cristianismo. Muitas delas foram concebidas como relíquias, tais como o O Santo Graal e o Lignun Crucis. A presença de vasos sagrados na Idade Média é evidente não só pelos objectos que sobreviveram até aos dias de hoje, mas também pelas numerosas fontes documentais: inventários de igrejas que registam a aquisição ou doação de certos objectos litúrgicos, incluindo vasos sagrados.

Hoje em dia, os vasos sagrados são chamados os utensílios do culto litúrgico que se encontram no o contacto directo com a Eucaristia. Como são sagradas, são usadas apenas para esse fim e devem ser abençoadas pelo bispo ou por um sacerdote.

Além disso, eles devem ter a dignidade necessária para realizar a Santa Missa. De acordo com a Conferência Episcopal Espanhola, eles devem ser feitos de metal nobre ou outro material sólido, inquebrável e incorruptível que seja considerado nobre em cada lugar.

O Paten e Cálice são os vasos sagrados mais importantes desde o início do cristianismo. Eles contêm o pão e o vinho a serem consagrados durante a Santa Missa. Com o passar do tempo, e as necessidades do culto eucarístico e dos fiéis, apareceram outros vasos sagrados, tais como o ciborium ou o pyx e a monstruosidade, bem como outros acessórios.

Após a celebração dos sacramentos, o sacerdote limpa e purifica os objectos litúrgicos que utilizou, pois todos eles devem estar limpos e bem conservados.

Porque é que os vasos sagrados são importantes para um padre?

Ter todos os elementos necessários para transmitir os sacramentos e celebrar a Santa Missa é indispensável para um padre.

É por isso que o Patronato de Acción Social (PAS) da Fundação CARF dá cada ano mais de 60 caixas de recipientes sagrados completo para diáconos e sacerdotes de todo o mundo que estudam em Pamplona e Roma. A mochila actual contém tudo o que é necessário para celebrar a Santa Missa com dignidade em qualquer lugar, sem a necessidade de uma instalação prévia.

O Caixa de Vaso Sagrado da Fundação CARF permite aos jovens padres sem recursos administrarem os sacramentos onde eles são mais necessários. Neste momento, não é só o padre que está perante eles, mas também todos os benfeitores que lhes permitirão exercer o seu ministério com a dignidade material adequada.

Quais são os objectos litúrgicos que são vasos sagrados?

Os vasos sagrados primária são aquelas que, anteriormente consagradas, foram destinadas a conter a Sagrada Eucaristia. Como a cálice, paten, ciborium, monstrança e tabernáculo.

Em contraste com os vasos sagrados secundário, que não têm contacto com a Eucaristia, mas que se destinam ao culto divino, tais como a cruzeiros, acetre, hissopo, queimador de incenso, sino, alva e o candelabroentre outros.

vasos sagrados

Cálice

Do latim calix que significa copo para beber. O cálice é o cálice sagrado por excelência. Usado por Jesus e os Apóstolos na Última Ceia, foi provavelmente um copo de kiddush (louça de mesa ritual judaica para a celebração da Páscoa), sendo na altura uma taça feita de pedra semi-preciosa.

Os primeiros decretos oficiais conhecidos dos sínodos datam do século XI, já proíbe expressamente o uso de vidro, madeira, chifre e cobre, porque é facilmente oxidável. O estanho é tolerado e recomenda-se o uso de metais nobres.

A forma dos cálices antigos era mais como uma chávena ou ânfora, muitas vezes com duas pegas para facilidade de manuseamento. Este tipo de cálice esteve em uso até ao século XII. A partir desse século, quase todos os cálices, sem pegas, se distinguem pela largura da taça e por uma maior separação entre a taça e o pé, que forma a haste do cálice com o nó, a meio da altura.

vasos sagrados

Paten

Vem do grego phatne o que significa placa. Refere-se à bandeja ou pires pouco profundos e ligeiramente côncavos sobre os quais o pão consagrado é colocado na Eucaristia. A patena entrou em uso litúrgico ao mesmo tempo que o cálice e deve ser dourada no lado côncavo. É importante que permita a fácil recolha de partículas no corpo.

Nos relatos da Última Ceia, menciona-se o prato com o pão que Jesus tinha diante de si na mesa (Mt 26:23; Mc 14:20). Quanto ao material da patena, ele seguiu a mesma evolução que o cálice.

vasos sagrados

Cálice e acessórios de paten

  • Purificador: um pedaço de linho branco, distinguível dos outros panos pelo seu tamanho mais pequeno e por uma cruz vermelha ou branca bordada no meio. Para a Missa é colocado imediatamente acima do cálice, porque é usado para purificar o interior do cálice esfregando-o antes de lhe deitar vinho. Depois de o vinho ter sido derramado, quaisquer gotas que possam ter ficado nas jantes são limpas com ele.
  • Palia / hijuela / cubrecáliz: Um quadrado de tecido engomado que cobre o cálice enquanto este está sobre o altar. Ela evita que partículas estranhas caiam no cálice e só é removida no momento da Consagração.
  • Véu do cálice: cobre o cálice preparado para a Missa. Ele é usado até ao ofertório, quando o cálice é preparado para a consagração. É da mesma cor litúrgica que as vestes e é acompanhado por um saco para o cabo que é colocado por cima.
  • Cabo: Um pedaço quadrado de pano sobre o qual são colocados o cálice, a patena e a ciboria. É também colocada sobre ela a homenagem para a exposição do Santíssimo Sacramento. Deve ser feito de linho ou cânhamo e não de qualquer outro tecido. Pode ter uma cruz tecida.

vasos sagrados

Taça

A preservação do Eucaristia após a Missa é um costume que remonta aos primeiros dias do Cristianismo, para o qual o ciborium.

Nos tempos antigos, os fiéis por vezes guardavam a Eucaristia, com cuidado requintado, nas suas próprias casas. São Cipriano fala de uma pequena arca ou arca que foi mantida em casa para este fim (De lapsis, 26: PL 4,501). Era também, claro, guardado nas igrejas. Eles tinham um espaço chamado secretarium o sacrarium, em que havia uma espécie de armário (conditório) onde foi guardada a arca eucarística. Estes conditório foram os primeiros tabernáculos. Eram normalmente feitos de madeira dura, marfim ou metal nobre e eram chamados píxides -com uma tampa plana, com dobradiças ou uma tampa cónica em forma de turreta com um pé.

No final da Idade Média, a possibilidade de receber a comunhão fora da Missa tornou-se popular, exigindo um tamanho maior e evoluindo para os dias de hoje. ciborium: um copo grande usado para distribuir a comunhão aos fiéis e depois guardá-lo para preservar o corpo eucarístico de Cristo. É coberto, quando guardado no tabernáculo, com um véu circular chamado conopeo, que é também o nome dado ao véu que cobre o tabernáculo na cor da época litúrgica.

Nos lugares onde a Sagrada Comunhão é solenemente levada aos doentes, é usado um pequeno ciborium do mesmo estilo. O pequeno pyx usado é feito do mesmo material que o ciborium. Deve ser dourado no interior, a parte inferior deve ter um ligeiro aumento no centro, e deve ser abençoado pela forma do ciborium. Benedictio tabernaculi (Rit. Rom., VIII, XXIII). Também é chamado de teca ou portaviático e é normalmente uma caixa redonda feita de materiais finos.

vasos sagrados

Custódia ou monstruosidade

A monstruosidade é uma urna emoldurada em vidro na qual o Santíssimo Sacramento é publicamente exposto. Pode ser feito de ouro, prata, latão ou cobre dourado. A forma mais adequada é a do sol que emite os seus raios em todo o lado. O lunette (viril ou lunula) é o recipiente no meio da monstruosidade, feito do mesmo material.

A lunette, desde que contenha o Santíssimo Sacramento, pode ser colocada no tabernáculo dentro de uma caixa de monstrução. Se o tabernáculo tiver espaço suficiente para segurar a monstruosidade, então deve ser coberto com um véu branco de seda. Também é usado para procissões fora da Igreja em ocasiões especiais, tais como a Festa de Corpus Christi.

Todos estes vasos devem ser feitos de ouro, prata ou outro material, mas dourados no interior, lisos e polidos, e podem ser sobrepostos por uma cruz.

vasos sagrados

Vinhedo

Os cruzeiros são dois pequenos frascos onde a água e o vinho necessários para celebrar a celebração do Santa Missa. O padre mistura o vinho com um pouco de água e, para isso, ele tem uma colher complementar. São geralmente feitas de vidro para que o padre possa identificar a água no vinho, e também porque são mais fáceis de limpar. No entanto, também pode encontrar cruetes de bronze, prata ou estanho.

Acetre

É um caldeirão no qual é colocada água benta e é usada para o aspersores litúrgicos. Toda a água que é recolhida pela peneira é dispersa com a zaragatoa.

Hyssop

Utensil com o qual um borrifa água bentaque consiste numa pega com um punhado de cerdas ou uma bola de metal oca e perfurada na extremidade para segurar a água. É usado juntamente com o acetre.

Censador e incenso

O incensário é um pequeno braseira de metal suspensa no ar e segurado por correntes que são usadas para queimar incenso. O incenso é usado para manifestar a adoração e simboliza a oração que vai até Deus.

Sininho

É um pequeno utensílio em forma de copo invertido com um badalo no interior, que é usado para segurar o badalo. usado para chamar à oração durante a consagração. O sino é usado para atrair a atenção e também para expressar um sentimento de alegria. Há sinos de uma e de várias campainhas.

Candelabro

É um apoio onde a vela é colocada que é usado na liturgia como um símbolo de Cristo, que é a Luz guia para todos.

"A mulher que, na casa de Simão o leproso em Betânia, unge a cabeça do Mestre com rico perfume, lembra-nos o nosso dever de sermos esplêndidos no culto a Deus.
- Todo o luxo, majestade e beleza parecem-me muito pouco.
-E contra aqueles que atacam a riqueza dos vasos sagrados, ornamentos e retábulos, o louvor de Jesus é ouvido: opus enim bonum operata est in me -Ele fez uma boa acção por mim.

São Josemaría
Estrada, ponto 527.

Bibliografia

- Augustin Joseph Schulte. "Vasos do altar", Enciclopédia Católica.
- Sacrosanctum Concilium n. 122-123; CIC cc. 939, 941, 1220 §2.
- Instrução Geral do Missal Romano (2002).
- Instrução Redemptionis Sacramentum (2004) 117-120.

Partilhe o sorriso de Deus na terra.

Atribuímos o seu donativo a um padre diocesano, seminarista ou religioso específico, para que possa conhecer a sua história e rezar por ele através do seu nome e apelido.
DONAR AGORA
DONAR AGORA